Piadas de Caipira

29
19
10

Fazer Xixi

A mulher estava na estação ferroviária, doida para descarregar a bexiga. Olhava para o relógio a todo instante e, pela hora, o trem já deveria ter chegado na plataforma há pelo menos dez minutos. Ela se contorcia daqui, se contorcia dali, até que não agüentou mais e foi ao banheiro. Quando voltou, o seu trem havia chegado, mas já havia partido.

— Oh, não! — fez ela, sentando-se no chão e derramando-se em lágrimas.

Nisto o mineiro, solidário, aproximou-se dela:

— Ô, Dona! Purquê esta choradera?

— É que eu fui mijar e o trem partiu! — explicou ela.

— Uai, mas a sinhora já num nasceu com o trem partido?

7
3
4

Filha do Interior

Depois de dois anos que havia deixado a cidade no interior para vir para a capital, a mocinha recebe a visita dos pais no seu luxuoso apartamento.

— Minha filha, estou orgulhosa de você — comenta a mãe ao ver tanto luxo — E pensar que você chegou aqui com uma mão na frente e outra atrás! Como conseguiu tudo isso?

— Foi fácil, mamãe! Primeiro tirei a mão da frente, depois tirei a de trás também...

14
-3
17

Piscoso

Meu amigo Candido, recentemente foi pescar no interior. Educadíssimo, com seu perfeito português, chega a beira do rio e pergunta ao caipira do lugar:

— Meu senhor. Este rio é piscoso?

O caipira coçou a barba, olhou para ele e lascou:

— Bão. Quando "Chuvisca pisca"!

31
4
27

Passagem do Trem

— Moço, o trem das cinco e quinze já passou?

— Já, sim senhora.

— E o das cinco e meia?

— Já, sim senhora.

— E o expresso mineiro, que hora vai passar?

— Daqui a meia hora.

— E o rápido paulista?

— Por que a senhora não diz logo qual é o trem que quer pegar e eu lhe digo quando ele passa?

— Eu não quero pegar trem nenhum, não, moço. Eu quero é atravessar a linha.

13
5
8

Muitos Potes

Um caipira chega pro outro e diz:

— Mais homem, pra que tanto pote?

O outro responde:

— É que água das nossa região tá muito suja...

O outro pergunta:

— Mas o que isso tem a ver?

O dono dos potes reponde:

— Eu comprei 100 potes, pra nois temo água potável em casa!

30
20
10

O Elevador

O caipira vai com a família passar uns dias na cidade. Ao chegar a um hotel, parou estupefato em frente ao elevador tentando entender para que servia uma porta com tanta luzinha piscando.

De repente, uma senhora bem velhinha entra no elevador, a porta se fecha e ela desaparece. Pouco depois a porta se abre novamente e o caipira dá de cara com uma garota lindíssima. Entusiasmado, ele grita para o filho:

- Josias, vá correndo chamar a sua mãe!

56
49
7

A Festa da Caipirinha

Convidaram uma menina da roça para uma grande festa na cidade. Neste convite estava escrito: Usar roupa da moda.

Ela pensou: Eu não tenho roupa da moda, mas talvez meu vestido de 15 anos vire uma saia curta.

Dito e feito. Só tinha um problema, por somente usar calças, ela não tinha nenhuma calcinha. Após pensar muito ela pegou um saco de ração e costurou, fazendo assim, uma calcinha.

Quando pegou o ônibus, não havia nenhum banco vazio e o jeito foi ficar em pé, se segurando no ferro, o que às vezes deixava subir o vestido mostrando toda a calcinha. Incomodada com um velho que não tirava o olho da calcinha, ela irritada pergunta:

— O que é? Nunca viu uma calcinha não?

O velho responde:

— Escrito "ração pra pinto", não!

16
10
6

Farinha

Dois cumpadres foram conhecer a cidade grande bestificados com tanta novidade um vira para o outro e diz.

Cumpadi, vão simbora que isso num é lugar pra nois não sô, espia só comé que o pobre tá apanhando só porque cherô "farinha". Imagina só se o puliça disconfia que nois come!

85
79
6

Perdido na Motanha

Um jornalista estava no Cazaquistão para fazer reportagens para o seu jornal. Em um lugarejo distante, encontrou um velhote e lhe perguntou:

— Você poderia me contar um fato da sua vida que você jamais esqueceu?

O velho homem sorriu e começou a sua história:

— Um dia, há muitos tempo atrás, minha cabra se perdeu na montanha.

Como é a tradição, todos os homens da cidade se reuniram para tomar vodca e partiram a procura da cabra. Quando finalmente a encontramos, de madrugada, bebemos mais uma dose de vodca e, como é de costume, todos os homens da cidade transaram com a cabra um por um. Foi inesquecível!

O jornalista lhe disse que o seu jornal dificilmente publicaria uma história assim e lhe pediu para contar outra, mais alegre.

O velho sorriu e disse:

— Um dia, a mulher do meu vizinho se perdeu na montanha. Como é a tradição, todos os homens da cidade se reuniram para tomar vodca e partiram a procura da mulher em questão. Como é de costume, quando finalmente a encontramos, todos os homens, da cidade transaram com a mulher do vizinho. Foi a maior diversão!

O jornalista não se deu por satisfeito e perguntou ao velho homem:

— Você não tem, então, uma história mais triste?

O velho homem baixou os olhos e começou:

— Um dia, eu me perdi na montanha...

50
33
17

Sexo Selvagem

A mulher do caipira consegui emprego como doméstica na casa de uma socialite. No primeiro dia, limpando o quarto do casal, encontra uma camisinha. Foi então mostrar aquele estranho objeto para dona da casa:

— Patroa, patroa, que é isso?

A grã-fina, achando incrível a ignorância da empregada, pergunta com certa ironia:

— Ora, vocês lá na roça não fazem amor, não?

— Bão, fazê a gente faz, mas não chega a sair o couro deste jeito!

44
31
13

Lago Raso

Vinha o o playboy em seu jipe ultra-moderno, atravessando o sertão, ultrapassando todos os desafios quando, no meio do caminho se depara com um lago. Sentado na margem, bem sossegado, um caipira, fumando seu cigarrinho de palha.

— Ei caipira, diz aí: Este lago é muito fundo ou dá pra atravessar com o carro?

— Dá pra passá sim senhor. O lago é rasinho, rasinho, seu moço...

E foi o playboy. Engatou a primeira e tibum! Afundou na hora. Saindo do carro o garotão foi nadando até margem, puto da vida e foi tirar satisfação com o matuto:

— Pô cara, você não disse que o lago era raso?

— Pois é, sô... tamém num tô entendendo. Quando os pato tão na lagoa, a água só chega até cintura deles.

58
46
12

Caipira no Consultório

O caipira chega no consultório para fazer o exame de próstata, chegando lá o médico já pede para baixar as calças e diz:

— Olha vou começar o exame se doer o senhor grita, ok.

Começando o exame o caipira já resmunga.

— Dotor vô gritar.

O doutor pede calma e manda ele relaxar.

— Dotor vô gritar.

O Doutor já impaciente pede para ele relaxar.

— Dotor vô gritar.

— Dotor vô gritar.

Já bravo o doutor fala:

— Então grita vai!

O caipira se enche e grita:

— UUUUUUUUU trem bão sô!

27
2
25

O Fósforo

Um alemão que vivia numa cidadezinha do interior, entrou na vendinha do Zé Pinhão e pediu uma caixa de fósforo:

— Gostarria de comprrrarr um caixinho de fosforro, porr favorrr.

Quando o estrangeiro saiu, Zé Pinhão disse para a esposa:

— Eta alemão burro! Já vai mais de um tempão que veio pros lado de cá e ainda não sabe falar "Forfi" direito sô!

64
45
19

Quatro Dedos

O caipira cortador de cana chegou para a mulher e falou:

— Nega, quase que esses quatro dedos foram para a merda!

E ela respondeu:

— Não me diga, escapou o facão?

— Não! Rasgou o papel higiênico.

68
50
18

Fala Isso Não

Era bem cedinho e o seu Benedito resolveu visitar o cumpade no sítio vizinho.

Quando chegou lá, viu que tudo estava muito em silêncio.

Chamou, mas ninguém respondeu. Seu Benedito resolveu entrar na casa, pois aporta estava só encostada.

Foi em silêncio até o quarto do cumpade, pra ver se estava tudo bem.

Passou pelo corredor e viu que a porta do banheiro estava entreaberta e o cabra na maior punheta que estava até gemendo.

Resolveu sair quietinho da casa e esperar na varanda.

Quando o cumpadre saiu do banheiro, seu Benedito fingiu que estava chegando àquela hora ao sítio e foi logo dizendo:

— Ô cumpade, o mundo é cheio de concidência memo!

Tô chegando nessa hora, nem chamei ainda, e já dou de cara com ocê na porta?

— Mai o mundo é cheio de concidência memo, cumpade. Sabe que eu tava pensando nocê fais 5 minuto?

— Fala isso não, cumpade!

— Verdade, home!

— Pelamordi Deus! Fala isso não, cumpade...

56
38
18

A Viagem

Um caipira de Brasília ganhou uma passagem de avião para visitar sua filha em São Paulo.

Quando o caipira chegou no aeroporto passou ao lado de um robozinho que conta parte da vida dos outros que passam por ele que diz:

— José Augusto, 52 anos, pai de 3 filhos e vai no vôo de Brasília a São Paulo as 11:20.

O caipira ficou assustado com aquilo, então passou de costas para que o robô não o reconheça.

Mas o robô disse:

— José Augusto, 52 anos, pai de 3 filhos e vai no vôo de Brasília a São Paulo as 11:20.

O caipira não se contentou com aquilo, então foi a uma loja feminina e comprou um batom, um vestido, e uma peruca e se vestiu.

Quando chegou perto do robô ele disse:

— José Augusto, 52 anos, pai de 3 filhos, por causa dessa viadagem toda perdeu o vôo pra São Paulo.

37
13
24

Visita da Psicóloga

Certo dia quando seu Zé estava em casa mandando aquele paieiro, recebe a visita de uma psicóloga.

Ela então pergunta ao seu Zé se pode lhe fazer algumas perguntas. E ele desconfiado responde que sim. A psicóloga pergunta:

— Seu Zé o que o senhor acha da nudez?

— Bão demais sô! — responde Seu Zé.

— Ué porque? — pergunta a psicóloga.

Seu Zé responde:

— Mió nudeis do que no nosso ué!

26
15
11

Festa no Interior

Certa vez em uma festa no interior, o dono da festa se entristece por não ver ninguém dançando, e para resolver o problema ele sugere que cada um dance com a pessoa que tiver o nome semelhante ao seu: Francisca com Francisco, Benedita com Benedito, João com Joana... E assim todos dançaram exceto um rapaz que estava encostado na parede, o dono da festa curioso pergunta:

— Então rapaz, uma festa tão animada e você aí parado. Cadê seu par?

Responde o rapaz:

— Pois é amigo, é que meu nome é Piroco.

26
5
21

Capiau dos matos

Um capiau dos matos, daqueles que se acha muito macho, mas muito ignorante, foi a cidade se divertir um pouco. Encontrou um parque de diversões, onde tinha uma barraca de tiro ao alvo. Chegando na barraca uma moça muito simpática veio atendê-lo, ele pegou a espingarda e pá, pá, pá, acertou todos os alvos. A moça sorrindo fala:

— O senhor acertou todos os alvos!

— Ué, e era para errar?

— Não, isso quer dizer que você tem direito a um prêmio.

— E o que é, que eu vou ganhar?

— Temos este ursinho de pelúcia, não é lindo?

— Bah! O que é que eu vou fazer com isso? Não sou mulherzinha, não tenho mulher, não tenho namorada, não conheço nenhuma mulher, não quero esta porcaria. Por que não tem um prêmio melhor?

Aí vendo, que o caipira não ía mais parar com aquele falatório, a moça dá para ele uma tartaruguinha como prêmio. Ele dá uma olhada, olha novamente o bichinho, e vai embora levando a tartaruga.

No dia seguinte ele retorna na mesma barraca, começa a jogar, atirando nos alvos e acerta todos novamente. A moça pergunta se ele quer ficar com o ursinho de pelúcia.

— Não quero essa porcaria, não sou mulherzinha, não tenho mulher, não tenho namorada...

A moça vendo que ía começar tudo outra vez, para encerrar aquela reclamação, pergunta:

— Então o que o senhor quer ganhar desta vez?

— Ah! Mê dá um sanduíche igual ao de ontem.

79
69
10

Mula Morta

Com sérios problemas financeiros, o caipira vendeu sua mula por 100 reais a outro caipira, que concordou em receber o animal um dia depois. No dia seguinte, o primeiro caipira chegou e disse:

— Cumpadi, cê me discurpa mas a mula morreu.

— Morreu?

— Morreu.

— Intão devorve o dinheiro.

— Ih... já gastei.

— Intão me traiz a mula.

— Mas o que cê vai fazê com uma mula morta?

— Vou rifá.

— A mula morta? Quem vai querê?

— É só eu num falá que ela morreu, ué!

Um mês depois os dois se encontram e o caipira que vendeu a mula pergunta:

— Ô cumpadi, e a mula morta?

— Rifei. Vendi 500 biete a 2 real cada. Faturei 998 real.

— Eita! E ninguém recramô?

— Só o homi que ganhô.

— E o que cê feiz?

— Devorvi os 2 real pra ele.

31
18
13

Máquina de Coca-Cola

Na cidade o caipira vê uma máquina de Coca-Cola e fica maravilhado. Coloca uma fichinha e cai uma latinha. Coloca duas fichinhas e caem duas latinhas. Coloca dez fichas e caem dez latinhas. Então ele pede mais 50 fichas ao caixa, que diz:

— Desse jeito, o senhor logo vai acabar com todas as minhas fichas!

— Não adianta reclamar, porque enquanto estiver ganhando eu não paro.

51
39
12

Comida dos Porcos

Certo dia, um fiscal de saúde pública foi averiguar o que um fazendeiro estava dando aos seus porcos. Ao questionar o matuto, recebeu a seguinte resposta:

— Eu dô a eles tudo o que sobra.

É pão velho e resto de comida que nóis não consegue nem senti o chêro.

— Mas isso é um crime, um absurdo — bradou o fiscal. — Vou multá-lo em 10 mil reais por atentar contra a saúde pública.

Depois de um tempo o fiscal retornou à fazenda. Ao ser novamente questionado, o matuto respondeu:

— Óia, agora as coisa melhorô muito. Tô dando caviar, salmão defumado e ração importada da França pros bichinho comê.

— Isso é inadmissível! Com tantas crianças passando fome e você dando comida de primeira aos porcos! Vou multá-lo em mais 20 mil reais.

Após um mês o fiscal retornou à fazenda e perguntou ao matuto:

— O que você está dando agora para os porcos comerem?

O matuto respondeu:

— Óia, agora eu dou dez reais pra cada porco e eles vai comê o que quisé e onde quisé.

78
40
38

400 cavalos

Estava um mineiro a andar com o seu burrinho por uma das muitas estradas de Minas Gerais. Num dado momento para do lado do mineiro com seu burrinho uma Ferrari, e dentro dela um carioca muito esperto que batendo no capo do carro diz:

- Aqui dentro tem 400 cavalos!

Entra no carro e sai cantando pneus, deixando uma nuvem de poeira para o mineiro. Um pouco a frente o carioca se distrai e numa curva embica a sua Ferrari num ribeirão.

Um pouco depois o mineiro chega ao local, vendo o carro com a frente dentro da água pergunta:

- Tá dando de beber para tropa, moço?

54
8
46

Avisando da Morte

O Zé estava triste porque o seu melhor amigo João acabara de falecer, com isso foi até a casa de Sônia, esposa do João, para contar a tragédia:

— Sônia, ocê tá aí?

— Tô sim Zé, entra!

— Sônia, aconteceu um trem triste.

— O quê, Zé?

— O João morreu!

Pegando a ponta da saia e a levantando para enxugar as lágrimas, a Sônia perguntou:

— O Zé, ocê já viu uma desgraça desse tamanho?

Zé respondeu:

— Vi, mas só de vaca!