Os Vigaristas

Chorando no Cassino

20
13
7

Adolfo está sentado em frente ao cassino, desconsolado, chorando copiosamente, com uma caixinha nas mãos quando passa um velho amigo e o aborda.

— Adolfo? — pergunta ele, espantado — Cara, o que aconteceu? O que você tá fazendo aí chorando?

— A morte! — gritou Adolfo, aos prantos — Eu quero a morte!

— Para com isso, cara! O que aconteceu?

— Eu perdi dinheiro no Cassino! Buááááá...

— Ah, não fica assim, cara! Jogo é assim mesmo... Um dia a gente perde! No outro... a gente perde de novo! Quanto você perdeu? Uns mil reais?

— Que nada, cara! Foi mais!

— Sério? Foi quanto? Uns cinco mil?

— Mais, cara... Muito mais!

— Putz, cara! Vai me dizer que foi mais de 10 mil?

— Foi, cara! Foi bem mais...

— 50 mil? — perguntou ele, preocupado.

— Perdi 100 mil, cara! 100 mil!

— Caramba! Se eu perdesse 100 mil no cassino, minha mulher me arrancava as bolas!

E o Adolfo, chorando ainda mais:

— E o que você acha que tem dentro dessa caixinha?