Lojinha do Turco

45
22
23

Um cara engravatado entra na lojinha do Samir na Rua da Alfândega e olha com desprezo para o balcão escuro, as roupas penduradas em ganchos e o chão de tacos de madeira sem polimento. O Samir se irrita com o desprezo do sujeito e diz:

— Está olhando feio bra lujinha de Samir? Com este lujinha, Samir tem abartamento Ibanema, tem casa Búzios, tem casa Cambos da Jordão, tem abartamento no Beirute, tem filho estuda medicina Estados Unidos, tem filha estuda moda Paris, tudo só cum lujinha!

O sujeito vira e diz:

— O senhor sabe quem eu sou? Sou fiscal do Imposto de Renda!

— Muito brazer! Eu Samir, baior mendiroso de Rua do Alfândega.