Machado no Rio

80
48
32

Um dia, uma dona de casa buscava gravetos para o fogão a lenha para fazer o almoço para sua família.

Cortando o galho de uma árvore tombada, seu machado caiu no rio. A mulher suplicou a Deus que lhe ajudasse. Ele apareceu e perguntou:

— Por que você está chorando?

A mulher respondeu que seu machado havia caído no rio. E Deus entrou no rio, de onde tirou um machado com cabo de ouro, e perguntou:

— É este seu machado?

A nobre mulher respondeu:

— Não, Deus, não é esse.

Deus entrou novamente no rio e tirou um machado com cabo de prata:

— É este o seu?

— Também não, respondeu a dona de casa.

Deus voltou ao rio e tirou um machado com cabo de madeira, e perguntou:

— É este teu machado?

— Sim, respondeu a nobilíssima mulher.

Deus estava contente com a sinceridade da mulher, e mandou-a de volta para casa, dando-lhe os três machados de presente.

Um dia, a mulher e seu amantíssimo marido estavam passeando no campo quando ele tropeçou e caiu no rio. A infeliz mulher, então, suplicou a Deus por ajuda.

Ele apareceu e perguntou:

— Mulher, por que você está chorando?

A mulher respondeu que seu esposo caíra no rio. Imediatamente Deus mergulhou e tirou o Rodrigo Santoro, e perguntou:

— É este seu marido?

— Sim, sim, respondeu a mulher.

E Deus se enfureceu.

— Mulher mentirosa! — exclamou.

Mas a mulher rapidamente se explicou:

— Deus, perdoe, foi um mal-entendido. Se eu dissesse que não, então o Senhor tiraria o Gianecchini do rio; depois, se eu dissesse que não era ele, o Senhor tiraria meu marido; e quando eu dissesse que sim, era ele, o Senhor mandaria eu ficar com os três. Mas eu sou uma humilde mulher, e não poderia cometer poligamia... Só por isso eu disse "sim" para o primeiro deles.

E Deus achou justo, e lhe perdoou.

Moral da história: Às vezes a mulher mente de um jeito, que até Deus acredita...