Piadas de Português

Joaquim, mal tira a carteira de motorista, compra seu primeiro carro, uma possante Ferrari e vai mostrar o
carro a Maria. Os dois saem pela estrada a mais de duzentos quilômetros por hora. Maria está apavorada, pois tem medo de velocidade. A certa altura, ela diz ao Joaquim:

— Reduz um pouco a velocidade, ó Joaquim. Toda vez que tu entras numa curva eu fecho os olhos.

— É? — diz Joaquim. — Tu também?

32
16
16

Dia da inauguração do cinema 180 graus em Portugal. Terminada a sessão, ninguém saía da sala. Manuel, o dono do cinema, foi ver o que estava a acontecer. Tomou o maior susto: todos os espectadores estavam mortos. Mandou fazer a limpeza e faxina na sala e começou a outra sessão. Aconteceu a mesma coisa: todos mortos. Após a nova faxina, Manuel tomou uma decisão:

— Vou reduzir a temperatura para a metade.

18
2
16

Joaquim combina com Manoel para irem tomar cerveja em um bar. Ao telefone, eles conversam.

— Como é o nome do bar? ... Como? ... Eu não sei onde é que fica, ó Joaquim.

— É bem aqui na Rua da Porta Baixa, ó Manoel. ... Não tem erro. É só perguntar, afinal de contas, quem tem boca vai a Roma. ... Combinado. ... Te espero às oito.

Às oito em ponto lá está Joaquim esperando Manoel conforme combinado. O tempo passa e, já de madrugada, o telefone celular de Joaquim toca. É Manoel.

— Eu me perdi, ó Joaquim.

— Mas eu não te falei onde fica o bar, Manoel? Se não sabes onde fica é só perguntar, ó pá, pois quem tem boca vai a Roma.

— E de onde é que tu pensas que eu estou a falaire?

13
-4
17

Joaquim vai ao Jockey Club. Tarde muito chique. Muita gente. Gente demais, até. Mulheres elegantes, cavalheiros elegantes, jockeys elegantes, cavalos elegantes. O páreo principal vai começar. Tumulto próximo à pista, bem no lugar onde encontra-se o nosso Joaquim. Todos querem ver a partida. Um tremendo empurra-empurra. Gente caindo na pista no momento em que os cavalos dão partida. Corta para a casa de Joaquim. Ele entra em casa todo quebrado. Parece ter sido atropelado por uma jamanta. Maria, a dedicada esposa do Joaquim, fica preocupada: jamais o vira nesse estado.

— O que fizeste, ó Joaquim? O que houve?

— Nem imaginas, Maria. Uma tremenda confusão lá no Jockey. No empurra-empurra junto à grade, me empurraram e caí na pista. Quando dei conta de mim, havia um jóquei montado em minhas costas.

— E o que fizeste, ó Joaquim?

— Tu deverias ter visto a tragédia. Corri o mais que pude, mas só consegui o quarto lugar.

8
-14
22

Os irmãos Joaquim e Manoel ganharam de herança dois cavalos — um para cada um. Para evitar confusão, eles resolveram mandar cortar as orelhas de um dos cavalos. Manoel ficaria com o das orelhas cortadas e Joaquim ficaria com o das orelhas inteiras. Na hora de fazer o serviço, o veterinário se atrapalhou todo e terminou cortando as duas orelhas dos dois cavalos.

— E agora? O que fazer?

— Vamos fazeire um sorteio — sugeriu o Joaquim.

Fizeram o sorteio. Joaquim ganhou o cavalo branco e Manoel ganhou o cavalo preto.

45
34
11

Três amigos trocam confidências em um bar.

— Eu acho que minha mulher está me traindo com um marceneiro — diz o primeiro. — Ontem eu encontrei um serrote e um martelo na cama.

— Eu também — diz o segundo. — Acho que minha mulher me trai. E é com um mecânico. Semana passada, encontrei duas chaves em cima da cama.

— Tenho certeza de que minha mulher está a trair-me — diz o terceiro. — E é com um cavalo.

— Um cavalo? Como sabes, ó Manoel?

— É que ontem, ao chegar em casa, havia um jóquei na cama.

24
10
14

— Joaquim, desde ontem que estou com diarreia. Já tentei de tudo, Joaquim. O que é que eu faço?

— Experimente banana, ó Manoel. Dizem que é muito bom.

No outro dia:

— E aí Manoel, melhorou da diarreia? A banana resolveu?

— Em parte, Joaquim, em parte. Mas cada vez que tiro a banana, a diarreia recomeça.

29
24
5

A Maria estava muito, mas muito triste, mesmo. Vivia chorosa, andando pela casa, até que um dia o Manoel perguntou:

— Ó Maria! O que acontece com você?

— Eu estou muito desolada com a sua falta de interesse no nosso casamento, Manoel.

— Por que, Maria?

— Sabes de uma coisa? Você não me procura, Manoel!

— Ai, é isso? Eu sei que não te procuro, Maria. Mas também, tu não te escondes!

16
4
12

O Manoel leva o carro numa oficina.

— Qual o problema? — pergunta o mecânico.

— Queria colocar uma buzina bem forte... mas bem forte mesmo!

— Tudo bem, podemos colocar uma buzina de caminhão!

— Não dá pra ser mais forte ainda?

— Mas por que você quer uma buzina tão forte?

— É que os freios estão falhando!

36
23
13

O médico examina o português e diz:

— Diga três vezes 33.

O portuga não diz uma palavra.

— Diga três vezes 33! — repete o doutor.

E o portuga, nada.

— Vamos, seu Manoel. Diga três vezes 33.

O gajo faz um esforço enorme e diz:

— É 99! Ufa... Pensas que eu sou uma calculadora?

27
11
16

O homem queria conquistar uma menina, filha de um fazendeiro dono de várias terras. Para ajudar, ele chamou o seu amigo português.

Chegando na casa do fazendeiro, o homem pediu ao português que aumentasse tudo o que ele falasse. Quando entrou na casa do fazendeiro, o homem já recebe uma pergunta:

— Então, você mora aonde?

— Eu moro em uma chacrinha bem pequena.

E o português falou:

— Chacrinha?Aquilo é terra que não se acaba mais!

— E você cria bois lá?

— Crio alguns, bem magrinhos.

— Alguns? Bem magrinhos? Aquilo é um monte de boi gordo, raio! — exclamou o português.

O homem tem uma crise de tosse bem na hora da conversa, e o fazendeiro pergunta:

— Você está gripado?

— É... é só um resfriado.

— Resfriado? Isso aí é uma tuberculose...

34
21
13

Casado com uma mulher que era uma verdadeira bruxa de tão ruim, e tremendamente infeliz com o seu casamento, o português resolve pedir o divórcio de uma vez. A mulher, ruim como ela só, além de dizer que não daria, promete azucrinar o coitado para o resto da vida. Sem outra saída, e inspirado por um filme que assistira na televisão, Manoel resolve se livrar da mulher. Planeja todo o crime, passo-a-passo e, enquanto ela dormia, dá-lhe algumas facadas, arrasta o corpo até a sala, faz um buraco no chão e enterra o cadáver. Quinze minutos depois, no momento exato que terminava de limpar toda a sujeira, arrombam a porta.

— O senhor está preso! — diz em alto e bom som o policial.

Sem esboçar nenhum gesto de defesa, ele se entrega. No tribunal, diante do juiz, intrigado com a esperteza dos policiais, ele pergunta:

— Mais, me diga uma coisa, ó sinhoire juiz. Como foi que vocês fizeram para descobrir tão rápido o crime, me diga? Pois no filme que eu vi pela TV, o gajo fez a mesma coisa e só descobriram 30 anos depois!

Ao que o juiz responde:

— Foi muito fácil. Certamente o cara morava numa casa e não num apartamento como o senhor...

42
30
12

Portugal resolvera provar que esta estória do Português ser burro era tudo invenção. Então reuniu 50 mil portugueses em um estádio de futebol em Lisboa para um teste. O locutor pediu um voluntário para o teste e lá foi o Manoel.

— Senhor Manoel, me diga quanto é três mais três?

— Ora, esta é fácil, é 7.

— Sinto muito, mas...

A multidão começou então a berrar:

— Mais uma chance, mais uma chance!

O locutor concordou:

— Então me diga quanto é dois mais dois?

— Ora, mais fácil ainda, é 5.

— Não, eu realmente...

E a multidão:

— Mais uma chance, mais uma chance, mais uma chance...

— Tudo bem, pela ultima vez; quanto é um mais um?

— Dois.

E a multidão prontamente:

— Mais uma chance, mais uma chance!

93
58
35

Quatro soldados de diferentes países — um americano, um japonês, um espanhol e um português — encontravam-se presos em um campo de concentração.

O sádico diretor do campo, disposto a divertir-se com esses pobres soldados, resolveu promover um teste em que todos deveriam contar piadas. Se as piadas fossem boas e todos da prisão rissem, suas vidas seriam poupadas. Caso contrário, a forca seria o destino do comediante sem talento.

E chegou a vez do americano: contou uma piada engraçadíssima e todos riram, menos o português. O diretor, assistindo a impassividade o portuga, clamou: "Matem esse americano sem graça!"

E lá se foi o pobre gringo...

O próximo era o japonês: contou a piada mais engraçada que conhecia.

Mais uma vez, todos riram, menos o portuga. Perante o rosto sério do lusitano, o diretor ordenou: "Matem esse japonês que não sabe contar piadas!"

E chegou a vez do espanhol. Assim que começou, o portuga caiu na risada. E passou a rir sem parar. O diretor, não entendendo o ocorrido, perguntou ao português:

— Mas, homem, o espanhol mal começou a contar a piada... Do que está rindo?

— Muito boa a piada do americano!

39
28
11