Piadas de Professor

Joãozinho ansioso por sua nota na prova perguntou para a professora:

— Fessora, a senhora já corrigiu as provas?

— Não, Joãozinho! Tenho várias turmas!

E a professora continua normalmente a aula:

— Turma, fizeram as tarefas de casa?

Imediatamente Joãozinho responde:

— Não! Temos vários professores!

247
189
58

Joãozinho pergunta para a professora:

— Fêssora, um menino como eu pode ter filhos?

— Claro que não Joãozinho, você só tem 10 anos!

— E uma menina como a Mariazinha pode ter filhos?

— Também não meu amor, ela só tem 9 aninhos!

Joãozinho se vira para Mariazinha e diz:

— Eu num disse que num tinha perigo!

219
165
54

A professora pergunta ao Joãozinho:

— O que o seu pai faz?

— Ele está desempregado, professora.

A professora pergunta novamente:

— O que ele faz quando não está desempregado?

— Ele caça elefantes na floresta amazônica.

— Mas não tem elefante na floresta amazônica!

— E é por isso ele está desempregado!

127
84
43

Joãozinho, chega cedo ao colégio e diz à professora:

— Tia lá em casa nasceram oito cachorrinhos e todos vão votar na Dilma.

— É mesmo? Que bom Joãozinho.Diz a professora.

Uns quatro ou cinco dias após, Joãozinho novamente chega à professora e diz:

— Tia lá em casa nasceram oito cachorrinhos e apenas cinco vão votar na Dilma.

Então a professora intrigada pergunta:

— Ué? Não eram os oito?

— Eram, mas três já abriram os olhinhos!

168
113
55

A professora vê o Joãozinho sentado quieto e pergunta:

— Joãozinho o que houve? É alguma matéria que eu ensino? Português, Matemática?

— É química professora.

— Mas eu não ensino química.

— Por isso mesmo, não há química entre nós...

135
81
54

O professor estava aplicando uma prova numa turma de ensino médio. Já perto de terminar o horário Joãozinho diz:

— Fessor, posso fazer uma pergunta?

— Se for sobre a prova, pode.

— Ah Fessor, não é sobre a prova não.

— Então, não pode.

— Ah Fessor, deixe aí vai...

Ele insistiu tanto que o professor concordou:

— Tá bom, Joãozinho, pergunte.

— Fessor, quando você faz amor, o senhor beija na boca?

Ele sem entender nada, repreendeu o aluno:

— Isso não é coisa que se fale, Joãozinho.

— Fessor, responda ai. É importante pra mim.

Percebendo que a turma toda estava atenta a conversa, ele resolveu responder a pergunta.

— Sim, Joãozinho. Quando eu faço amor eu beijo na boca.

— Fessor, me beije na boca!

E o professor ficou completamente encabulado:

— Que é isso, Joãozinho? Por que eu beijaria você?

— Ah Fessor, é que sua prova me fudeu todinho!

106
43
63

— Um professor de Física quis pregar uma peça em seus alunos e lhes disse:

— Aqui vai um problema: Um avião saiu de Amsterdam com uma velocidade de 800 km/h, à pressão de 1.004,5 milibares; a umidade relativa do ar era de 66% e a temperatura 20,4 graus Celsius. A tripulação era composta por 2 pilotos e 5 aeromoças; a capacidade era de 145 assentos para passageiros e o banheiro estava ocupado. A pergunta é... Quantos anos eu tenho? — E deu aquele risinho de quem se sente superior.

— Os alunos ficam assombrados. O silêncio é total.

Então o Joãozinho lá no fundo da sala e sem levantar a mão, diz de pronto:

— 44 anos, professor!

— O professor, muito surpreso, o olha e diz:

— Caramba, é certo. Eu tenho 44 anos.

— Mas como você calculou?

— E Joãozinho:

— Bem, eu deduzi porque eu tenho um primo que é meio viado, e ele tem 22 anos...

137
101
36

Na sala de aula, o professor estava analisando, com seus alunos, aquele famoso poema de Carlos Drummond de Andrade:

“No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.”

Depois de ter explicado exaustivamente que, ao analisarmos um poema, podemos detectar as características da personalidade do autor, implícitas no texto, o professor pergunta:

— Joãozinho, qual a característica de Carlos Drummond de Andrade que você pode perceber neste poema?

— Uai, professor, eu tô matutando aqui: ou ele era traficante ou usuário...

83
50
33