Piadas de Professor

46
29
17

Pessoa Mais Rápida

Na sala de aula, a professora pergunta:

— Alguém de vocês sabe quem é a pessoa mais rápida do mundo?

— É o Schumacher! — se arrisca Pedrinho.

— É o Rubinho! — diz Mariazinha.

Todos caem na gargalhada.

— Eu sei! — grita Joãozinho, com convicção — A pessoa mais rápida do mundo é a minha tia!

— Sua tiiiiia? — pergunta a professora, espantada — Por quê?

— Quando ela sobe na balança ela vai de zero a cem em menos de um segundo!

29
3
26

Na Idade da Pedra

Em certa escola, na Idade da Pedra, a professora distribui um pedaço de pedra, um martelinho e um cinzel para cada aluno e começa a fazer o ditado.

— O rei...

Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava uma coroa.

— ... é forte...

Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava um leão.

— e viril...

Todo mundo pensativo, de repente a voz de Joãozinho quebra o silêncio:

— Professora! Viril se escreve com um ou dois testículos?

12
4
8

Dilatação no Corpo

O professor de ciências naturais resolve fazer uma prova oral. Chama a aluna:

— Existe uma parte do corpo do homem que pode se dilatar até sete vezes o seu tamanho. Qual é essa parte?

— Não posso dizer, professor... — responde a aluna envergonhada.

— Por não responder, leva zero. A resposta certa é pupilas. A julgar pela sua resposta, a senhorita tem muita imaginação e, com certeza, não tardará a ter também uma grande decepção!

29
24
5

Na Ponta da Língua

O professor chamou a aluna mais gostosa da classe e perguntou:

— Rosana, me diga, qual é o elemento tem a fórmula química H2SO4?

A garota colocou um dedinho na boca, pensou, pensou e disse:

— Ai professor... tá na ponta da língua!

E o mestre:

— Então cospe logo, que é ácido sulfúrico!

27
-19
46

Redação do Joãozinho

Naquela segunda-feira, os alunos entregam a redação que a professora havia encomendado no final de semana. Todo mundo entrega uma folhinha ou no máximo duas, somente o Joãozinho aparece com um calhamaço de papel encadernado.

— O que é isso, Joãozinho? — pergunta a professora.

— É a minha redação professora!

Cheia de curiosidade, a professora toma aquele enorme volume na mão. Abre a primeira página e lê: "A Grande Cavalgada". Vira a segunda: "Cataplóc, Cataplóc, Cataplóc" e na terceira: "Cataplóc, Cataplóc, Cataplóc" e na quarta: "Cataplóc, Cataplóc, Cataplóc". E assim sucessivamente, ela vai lendo uma a uma, as páginas do livro e em todas as mesmas palavras "Cataplóc, Cataplóc, Cataplóc".

Até que ela chega à última página "Cataplóc, Cataplóc, Cataplóc... ôôôôôôôôôaaaaa".

23
15
8

Obcecado por Sexo

Muito a contra-gosto, o pai leva o filho ao psiquiatra por imposição da professora que insistia em dizer que o menino era obcecado por sexo.

Então o psiquiatra pega uma folha de papel em branco, desenha duas retas paralelas e pergunta ao garoto:

— Que desenho é esse?

— E um casal fazendo sessenta-e-nove!

O médico, pega outra folha de papel e desenha um triângulo.

— E agora? — pergunta.

— São dois homens fazendo sexo com a mesma mulher! — responde o garoto.

Aí o psiquiatra chama o pai do garoto em um canto e comenta:

— Realmente, o seu filho tem obsessão por sexo... Eu lhe mostrei esses desenhos e ele disse...

— Ele tem obsessão por sexo? — interrompe o sujeito. — E quem foi que desenhou toda essa sacanagem?

63
44
19

Mulher e Seus Homens

A mulher e seus homens insinuantes:

O médico: "Tire a roupa."

O psicanalista: "Agora deite-se e relaxe."

O farmacêutico: "Dói a cabeça?"

O dentista: "Abra um pouco mais..."

O decorador: "Quando estiver tudo dentro tenho certeza de que você vai adorar."

O professor de culinária: "Isso, assim... mexe um pouco mais agora..."

O padeiro: "Sim. Está quentinho! Como a senhora gosta."

O feirante: "Gostoso, não é? Pode experimentar outra vez..."

O marido: "Hoje, outra vez? Assim não há quem agüente!"

58
46
12

Aviãozinho na Aula

O Joãozinho, que sempre foi muito sapeca, estava com a corda toda naquele dia, na escola.

Num dado momento, ele joga um aviãozinho de papel na professora, que estava escrevendo no quadro negro.

Zangada, ele se vira para a classe e pergunta:

— Quem foi que começou com o avião?

Joãozinho, com cara de safado, responde:

— Foi Santos Dumont, professora!

53
43
10

Pai Traficante

Na sala de aula, pergunta a professora:

— Aninha, o que o seu pai faz?

— Meu pai é dentista, professora!

— Juquinha, e o seu pai?

— Médico, professora!

— Joãozinho, e o seu?

— Traficante, professora!

— Nooossssa! — reagiu a classe em uníssono.

Na hora do intervalo um amigo vira-se para Joãozinho e pergunta, indignado:

— Mas você não falou que o seu pai era deputado?

— Sim... mas é que tenho vergonha de dizer isso na frente de todo mundo!

20
14
6

Foto do Incêndio

Um fotógrafo daquele famoso jornal precisava fazer um serviço urgente: fotografar uma gigantesca queimada em uma reserva florestal.

Depois de chegar ao aeroporto, ele pede o aluguel de um pequeno avião e corre pra pista. Lá ele encontra o piloto com o motor ligado, entra no avião e grita:

— Vamos!

O piloto taxeia pela pista e decola. Em pleno vôo, o fotógrafo diz:

— Você está vendo aquela fumaça lá na frente? Quero que você chegue o mais próximo que puder!

— Mas por quê? — pergunta o piloto.

— Ué, pra tirar minhas fotos! Eu sou fotógrafo!

O piloto fica alguns segundos em silêncio e diz:

— Deixa de brincadeira, vai? Fala logo que você é o meu professor de pilotagem!

57
39
18

Cabeu e Coube

Joãozinho, sempre ele, escreveu numa redação da escola: o gato não "cabeu" no buraco. A professora, de castigo, mandou-o escrever 20 vezes no quadro a palavra "coube".

Quando ele terminou, a professora contou as palavras e comentou:

— Mas você só escreveu "coube" 19 vezes, Joãozinho!

— É que a última já não "cabeu", professora!

52
33
19

Perto da Escola

A professora ralhava com o Joãozinho:

— Joãozinho, a que distância você mora da escola?

— A dois quilômetros, professora!

— E a que horas você sai de casa?

— Às sete e quinze, professora!

— Então, se você tem quarenta e cinco minutos para percorrer apenas dois quilômetros, por que é que chega todo dia atrasado?

— É que tá cheio de placas escrito: "Devagar, Escola".

38
22
16

Prova Oral

Dia de prova oral. A professora chama o primeiro aluno e explica as regras:

— Joãozinho! Não sei se você conhece as regras, mas na prova oral você não pode olhar para os lados, nem consultar nenhum material.

— Pra cada pergunta que eu fizer a sua resposta tem que ser oral. Entendeu?

— Entendi, fessora...

— Então vamos começar: quem descobriu o Brasil?

— Oral...

29
22
7

Tudo Para Passar

A garota muito bonita, vestindo uma saia minúscula e um mini blusa decotadíssima, chega para o professor de matemática reclamando que precisa tirar a nota máxima no exame para poder passar.

— Professor — diz ela com voz lânguida. — Eu sou capaz de fazer qualquer coisa para passar de ano.

— É mesmo? — pergunta o professor, com um sorriso.

E ela arquejando o tronco para salientar o decote:

— Tudo o que o senhor me pedir... tudinho!

— Então... estude!

33
20
13

Nome de Flor

Conversando com a professora, Joãozinho começa a falar da sua família:

— Fessora! Sabia que todas as minhas irmãs têm nome de flor?

— É mesmo, Joãozinho? — diz ela, animada — Que bonito! E quantas irmãs você tem?

— Ah, professora... Tenho tantas que nem sei!

— Nossa! E quem escolheu esses nomes de flores? A sua mãe?

— É! Ela também tem um nome de planta!

— Não diga! Como ela se chama?

— Trepadeira, fessora!

16
6
10

Picada de Abelha

A adolescente volta da aula de golfe, chorando:

— O que aconteceu? — pergunta o pai, preocupado.

— Fui picada por uma abelha!

— Em que lugar?

— Entre o primeiro e o segundo buraco!

— Vou falar com o seu professor. Ele precisa lhe alertar que você está jogando com as pernas muito abertas.

15
0
15

Foto da Classe

Numa escola primária, uma das turmas tirou uma foto da classe.

A professora queria convencer os alunos a comprarem uma cópia da fotografia e tentou vender seu peixe:

— Já pensaram como será daqui a uns anos? Vocês olhando a foto e dizendo "Ali está a Joana, agora é advogada!" ou "Olha o Luís, que agora é médico!".

Nessa hora um aluno grita no fundo da sala:

— E ali está professora, que agora está morta!