Piadas de Escola

Joaquim vai até uma escola de idiomas e pede:

— Por favor, eu queria aprender chinês em um mês!

— Um mês? - pergunta a atendente assustada - Meu senhor, nós não temos cursos tão rápidos! É impossível aprender um idioma em tão pouco tempo! O senhor realmente precisa aprender com tanta urgência?

— Sabe o que é, senhorita? Eu adotei um chinesinho de 11 meses e logo logo o danadinho está falando! Se eu não aprender logo chinês, como vou entendeire o que o pequeno está dizendo?

104
4
100

Um grupo de estudantes da UFPI foi fazer uma pesquisa no recanto mais seco e desolado do Ceará, para descobrir como aquelas famílias conseguem sobreviver naquela seca tremenda.

Chegando lá se hospedaram em casa de um sertanejo muito pobre. Moravam 29 pessoas numa pequena tapera de cerca de 10 metros quadrados de pura indigência.

Começaram a observar os hábitos daquela família. Tudo anotavam. Nada escapava dos olhares daqueles estudantes sedentos de descobertas.

Uma certa noite, reunidos no pequeno terreiro, céu pleno de estrelas, uma maravilha só, conversavam quando uma palavra chamou a atenção de um dos jovens; o chefe da família sempre se referia ao conteúdo escrotal de testículos. O jovem estranhou essa palavra tão difícil ser pronunciada naquela região remota. Não contendo a curiosidade, perguntou:

— Meu caro amigo, me admira muito o senhor, aqui nessa região sem cultura, isolado do resto do mundo, onde falta comida, água, escola, as crianças vivem se protegendo embaixo das árvores para o vento não carregá-las, e o senhor fala tão difícil... que cultura!

O calejado senhor respondeu:

— Cultura nada, meu rapaz. É previnição mesmo. Ocê já pensou, nesta seca danada, nesta fome tremenda, se eu dissesse que isso aqui é ovo eu já estava capado há muito tempo!

50
-5
55

O ônibus escolar seguia por uma estrada em uma região com fortes raízes racistas. E como todos os dias, as crianças brancas brigavam com as crianças negras. O motivo da briga era sempre o mesmo: todos queriam sentar nos bancos da frente.

Mas daquela vez a briga era mais violenta e o motorista parou o ônibus para resolver de uma vez por todas as desavenças.

— Atenção, crianças! Vamos fazer de conta que aqui não tem brancos nem pretos, certo? Todos aqui são da mesma cor. Todos são azuis. Então vamos fazer o seguinte: quem for azul-escuro vai lá pro fundo do ônibus e quem for azul-claro vem aqui pra frente.

71
3
68

O garoto chega à escola se esvaindo em lágrimas e a professora vai consolá-lo.

— Pobrezinho! O que houve com você, meu fofinho?

— Papai cortou a cabeça dos 6 gatinhos que nasceram ontem lá em casa.

— Oh! Que maldade! Como se faz uma coisa dessas? Seu pai não tem respeito pela vida dos animais?

— Tem não, professora. E o pior é que a mamãe havia me prometido que quem ia cortar as cabeças era eu.

322
114
208

Um político, daqueles bem picaretas e caras de pau, sobe no palanque e começa o discurso:

— Meus cidadão! Se eu fô eleito, vô construí as escola!

Os eleitores ficam em silêncio, constrangidos com o mau português do candidato.

— Eu tombém vô construí as egreja, as creche...

O silêncio fica ainda mais constrangedor. Nessa hora, um assessor não aguenta mais, chama ele e sussurra no seu ouvido:

— Chefe... Emprega o plural que você ganha mais votos!

O político se empolga e responde:

— Deixa comigo!

E recomeça o discurso:

— Eu vô empregá o plurá!... A mãe do plurá, o pai do plurá, toda a famía do plurá, porque eis merece!

53
35
18

A turma de alfabetização da escola vai receber a visita do secretário de educação e a professora está preocupadíssima com o Joãozinho que é sempre o desbocado.

— Joãozinho, atenção, não vai me envergonhar na presença do secretário, hein? É melhor ficar de boca fechada.

— Tá bem, professora!

O secretário chega e conversa com os alunos, pergunta se já sabem ler, se gostam da professora etc e tal. Dirigindo-se a Joãozinho, fala:

— E você, já lê bem?

— Leio sim senhor.

— E qual a palavra mais bonita que você aprendeu?

A professora gela, e Joãozinho responde:

— Cubanos.

Ela respira aliviada.

— E por quê? — insiste o secretário.

— Porque começa com cu, acaba com anus, e ninguém me tira da cabeça que esse B do meio não seja de bunda.

172
137
35

A professora estava perguntando na turma de que cada uma das crianças mais gostava.

— Ritinha, do que é que você mais gosta?

— Das flores, professora.

— Que gracinha, e você, Mariazinha?

— Do céu, professora.

— Que lindo... E você, Soninha?

— Das borboletas, professora.

— Que maravilha... E você Joãozinho?

— Ah, professora, eu gosto é de buceta!

— O quê? — assustou-se a professora.

— É professora. Eu gosto mesmo é de buceta!

— Seu sem-vergonha! Vem cá!

A professora pegou Joãozinho pela orelha e foi arrastando o garoto até a sala da diretora:

— Imagine só: eu estava fazendo uma brincadeira com as crianças na sala, perguntando do que elas mais gostavam, e esse menino vem e me diz que gosta de buceta!

— Como é que é, Joãozinho?

— É, diretora. Eu gosto é de buceta!

— Seu mal-educado! Vou já chamar o seu pai!

E chamou o pai de Joãozinho na escola. O homem chegou lá apavorado, querendo saber o que tinha acontecido. E a diretora:

— Imagine o senhor que a professora estava fazendo uma brincadeira com as crianças, perguntando do que elas mais gostavam, e seu filho me responde que gosta de buceta!

— Ah, é isso? Liga não, o garoto é novo... Nunca comeu um cu!

181
62
119

O presidente faz uma visita a uma escola em Brasília e entra numa sala de aula no meio de uma discussão sobre significado das palavras. A professora pergunta ao presidente se ele gostaria de conduzir o tema na discussão da palavra "Tragédia". Ele aceita e pede à turma que lhe dê um exemplo de tragédia. Um garoto se levanta e diz:

— Se meu melhor amigo está brincando na rua e um carro o atropela, isto seria uma tragédia.

— Não - diz o presidente — isto seria um ACIDENTE.

Uma garotinha levanta a mão.

— Se um ônibus escolar levando cinqüenta crianças — pergunta ela — caísse na ribanceira, matando todo mundo, isto seria uma tragédia?

— Também não — explica o presidente — Neste caso, seria uma GRANDE PERDA.

A sala fica em silêncio. Nenhum voluntário. O presidente olha para a turma:

— Não há ninguém aqui que pode me dar um exemplo de tragédia?

Finalmente, lá no fundo da sala, um garotinho levanta a mão. Com uma voz tranquila ele diz:

— Se o avião presidencial, levando o senhor e dona Ruth, fosse atingido por um míssil, matando todos os ocupantes, isto seria uma tragédia!

— Fantástico! — exclama o presidente — Correto! E você pode me dizer por que seria uma tragédia?

— Bem, — diz o garoto — porque não seria um acidente, e também não seria uma grande perda!

57
38
19

Um gaúcho se dirigiu à atendente da casa lotérica:

— Olha, não tenho a menor idéia sobre quais números escolher para comprar um bilhete da Loteria Federal. Você poderia me ajudar?

— Claro, respondeu ela, vamos lá. Durante quantos anos você freqüentou a escola?

— 8

— Perfeito, temos um 8.

— Quantos filhos você tem?

— 3

— Ótimo, já temos um 8 e um 3. Quantos livros você já leu até hoje?

— 9

— Certo, temos um 8, um 3 e um 9. Quantas vezes por mês você faz amor com sua mulher?

— Caramba, isso é uma coisa muito pessoal — diz ele.

— Mas você não quer ganhar na loteria?

— Está bem, 2 vezes.

— Só? Bom, deixa pra lá. Agora que já temos confiança um com o outro, me diga quantas vezes você já deu a bunda?

— Qual é a sua? — diz o homem — Sou espada!

— Não fique chateado. Vamos considerar então zero vezes. Com isso já temos todos os números: 83920.

O sujeito comprou o bilhete que correspondia ao número escolhido. No dia seguinte foi conferir o resultado. O bilhete premiado foi o de nº 83921. Cheio de raiva, comentou:

— Puta que pariu! Por causa de uma mentirinha besta eu não fiquei milionário!

196
137
59

No primeiro dia de escola nos Estados Unidos, um novo estudante, de nome Toshiba, filho de um negociante Japonês, entrou para a quarta classe. A professora saudou a classe, e disse:

— Vamos começar por rever a Historia Americana. Quem disse: "Dêem-me a liberdade ou a morte?..."

Viu apenas um mar de caras de ignorância, com excepção do pequeno Toshiba que estava de braço no ar "Patrick Henry, 1775." — disse o garoto.

— Agora, — disse a professora, — quem disse: "o Governo do povo, pelo povo e para o povo não deve nunca extinguir-se da face da Terra?"

Mais uma vez, tudo calado exceto o Toshiba:

— Abraham Lincoln, 1863.

A Professora virou-se para a classe e disse:

— Vocês deveriam ter vergonha. O Toshiba, que acabou de chegar ao nosso país, sabe mais sobre ele do que vocês.

Assim que a Professora se virou para escrever no quadro, ouviu-se uma voz:

— Malditos Japoneses.

— Quem disse isso? — perguntou ela.

Toshiba levantou o braço:

— Lee Iacocca, 1982.

Nesta altura, um aluno já farto do ar de superioridade do Toshiba em relação ao resto da classe, levantou-se e disse:

— Vou vomitar.

— Quem disse isso? — perguntou novamente a professora.

Mais uma vez, o Toshiba levantou o braço:

— George Bush para o Primeiro Ministro Japonês, 1991.

Já furioso, um outro aluno levanta-se e grita para o Toshiba: "Olha, chupa o ..."

Mais uma vez, resposta do Toshiba:

— Bill Clinton para Monica Lewinsky, 1997.

76
32
44

A professora fala sobre higiene, limpeza, banhos e essas coisas nem sempre muito apreciadas pelas crianças. Ela chama o Joãozinho e pede para ele mostrar as mãos. Ele mostra a mão esquerda que está sujíssima. A professora aproveita a oportunidade para uma lição.

— Aposto que essa é a mão mais suja da escola.

— Perdeu, professora. Veja só a minha direita como está.

104
22
82

Joãozinho chega chorando na escola e Pedrinho assustadamente pergunta:

— Mas o que aconteceu Joãozinho?

— Ah Pedrinho, meu primo...

— O que ele tem?

Joãozinho ainda mais desesperado responde:

— Ele vai fazer muita falta!

— Por que? Ele falecera?

— Não, virou zagueiro...

75
-45
120

O Super-Homem estava em casa sem fazer nada quando teve a ideia de sair com os amigos pra encher a cara e quem sabe até descolar umas gatas. Então ele ligou para o Batman e chamou ele pra cair na farra, mas ele estava meio abatido e, além disso, ele não queria deixar o Robin, que nunca se deu bem com o Super-Homem, sozinho. Mas ele não desistiu e ligou para o Homem-Elástico intimando-o para ir pra gandaia, mas este por sua vez estava meio enrolado com o Stress da Sala de Justiça, e não quis saber de noitada.

Então o Super-Homem, sem alternativas e puto da vida, resolveu sair sozinho pela cidade, em busca de diversão. De repente, usando sua super-visão, reparou que a Mulher-Maravilha estava na cobertura dela, em cima da cama, completamente nua e se contorcendo de tesão. Ele ficou louco dentro de sua cuequinha vermelha e percebeu uma super-ereção chegando. Ficou olhando aquela cena e pensando numa forma de possuir aquele corpo maravilhoso, sem perder a pose e nem cair na boca do povo. Então ele teve uma grande ideia:

— Vou usar a minha super-velocidade para dar uma rapidinha tão rapidinha que ela nem vai saber o que aconteceu!

Assim, cada vez mais excitado com a ideia de traçar a Mulher-Maravilha, o Super-Homem se preparou e mais rápido que um raio, entrou no quarto dela, fez o serviço e saiu. Ainda nua na cama e agora um pouco assustada, a Mulher Maravilha exclama:

— Nossa, o que foi isso?

— Não sei... mas minha bunda tá doendo pra cacete! — responde o Homem-Invisível.

158
134
24

A garota fez de tudo para se aproximar do cara mais bonito da escola. Depois de muita manha, armação e suborno, ficou cara a cara com ele na aula de Química. Jogou o cabelo pro lado e deu aquela encarada fatal no garanhão.

O rapaz olhou lá no fundo dos olhos da moça e perguntou, com aquele tom de galã:

— Você tem telefone?

A moça quase caiu pra trás de emoção.

— Tenho sim. — respondeu ela, com voz de gata no cio.

E o rapaz, implacável:

— Então, por que você não vende e faz uma plástica?

83
53
30

O caipira vai ao médico reclamando de dores no pênis.

— Quantas relações sexuais o senhor tem por semana? — pergunta o doutor, antes de examiná-lo.

— Assim de cabeça não sei contar não, seu doutô!

— Como não sabe contar?

— É que eu fugi da escola novinho! Só sei contar até dez!

— Dez? — perguntou incrédulo o doutor. — Então vou mudar a minha pergunta: quantas relações sexuais o senhor teve ontem?

— Agora facilitô! Ontem eu acordei de madrugada dei uma, de manhã, antes do café, dei outra; depois do café, mais uma; aí fui trabalhar no cafezal. Lá pelas dez horas a patroa foi me levar um lanchinho e...

— O senhor deu mais uma?

— Não, seu doutô! Aí eu dei duas! Depois, antes do almoço, dei outra, tirei um cochilo, dei outra, vortei pro cafezal. Quando deu de tarde, fui pra casa e dei mais uma antes do jantar... aí fui dormi porque já estava ficando cansado!

— Então o senhor deu sete?

— Se não esqueci nenhuma...

— Então taí o problema! O seu pênis está doendo porque você está fazendo sexo demais!

E o matuto:

— Ai, que alívio...

— Alívio? Por quê?

— Pensei que fosse as punhetas que eu toco quando tô no cafezal!

27
14
13